BOOKS: LANÇAMENTOS

A seção Books traz o melhor dos lançamentos do mercado editorial:

FARO EDITORIAL

o-escravo-de-capela-final-site

Premiado por filmes de terror nacional, Marcos DeBrito lança novo olhar sobre mitos nacionais. Depois do sucesso com, “Condado Macabro”, cineasta escreve romance que reconta a mais popular das lendas brasileiras.

A história do Brasil na era colonial foi marcada a ferro e sangue.

Sangue de homens e mulheres trazidos para essa terra estranha, de costumes e crenças alheios aos seus, povoada por seres rudes e mãos prontas para causar dor. Uma terra onde ser livre não era uma opção, nem mesmo na morte. E em meio tantas histórias fortes, foi com a mistura de crenças africanas e ritos religiosos que diversas lendas nasceram. No entanto, com os passar das décadas, muito das cores originais e do terror nelas contidas foram amenizados.

E é para resgatar esse terror original que O Escravo de Capela foi escrito. Aqui nossas lendas não parecem fábulas para crianças. Aqui elas são muito mais próximas do real.

O romance se passa no ano de 1792, auge da era colonial brasileira, quando a produção de açúcar nas fazendas de cana era controlada pelas mãos impiedosas dos senhores de engenho. Os homens acorrentados que não derramassem seu suor no canavial encontravam na dor de um lombo dilacerado o estímulo para o trabalho braçal. Não eram poucos os negros que recebiam no pelourinho a resposta truculenta para sua rebeldia. Pior ainda àqueles que, no desejo por liberdade, acabavam mutilados pelo gume de um terçado. No retorno de um morto que a terra deveria ter abraçado surge o pior dos pesadelos. E como se não bastasse o terror que assombra a casa-grande ao cair da noite, um conflito que parecia enterrado é reaceso, podendo destrancar um segredo capaz de levar todos à ruína.

O Escravo de Capela poderia muito bem ser um romance histórico, pois o drama principal são as relações entre os membros da família Cunha Vasconcelos e as consequências pelo longos anos de tratamento cruel dado aos escravos. Mas o autor é conhecido por entregar uma visão aterradora dos males reais que afetam o ser humano, trazendo terror às suas tramas como representação do pior que existe dentro de nós.

Esqueça as histórias de brincadeiras e estripulias de um moleque travesso. O assobio na floresta não é o aviso de traquinagem, mas o presságio de que o terror se aproxima. O caminhar errante, desiquilibrado e mutilado, é paciente. Porque a vingança vai chegar para todos de Capela.

Sobre o autor:

Cineasta premiado, MARCOS DEBRITO vem sendo considerado a grande renovação na produção de filmes de suspense e terror no Brasil. Começou a escrever histórias que lhe vinham à cabeça apenas para lidar com seus próprios medos, na esperança de esconjurar seus demônios e calar as vozes que não o deixavam em paz.

O destaque de sua produção está na crueza como retrata as diferentes faces do mal, mas não é apenas isso. Todas as suas histórias contêm elementos de mistério e surpresas que desafiam o público a desvendar a mente dos personagens. Diretor, roteirista e escritor, O Escravo de Capela é seu terceiro livro publicado. “Condado

Macabro”, seu primeiro longa-metragem, foi lançado nas salas comerciais em 2015 e vem mostrando a força de sua narrativa em festivais por todo o país e no exterior.

 

London-London-guia-para-conhecer-Londres-usando-o-metro

 

O único guia para conhecer Londres utilizando o metrô

Este é um guia muito especial. Primeiro, porque presta um enorme serviço aos turistas, trazendo uma coisa aparentemente óbvia, mas nunca antes realizada: a de possibilitar que o viajante planeje seu roteiro utilizando o Metrô, mostrando como encontrar as atrações mais próximas de cada estação. É o meio mais inteligente, econômico e rápido de conhecer a cidade. Detentora do mais antigo e completo sistema de metrô do mundo, Londres permite que você visite os pontos mais famosos utilizando este centenário sistema de transporte.

Idealizador de uma banda especializada em trilhas de cinema, apresentador de programas culturais e esportivos na TV, Rodrigo criou um guia fora dos padrões. Ele misturou música, cultura pop e esporte às tradicionais atrações: museus, símbolos londrinos, parques reais e centros de compras, criando um guia diferente de tudo o que você já viu.

O olhar dos tempos em que atuou como guia turístico nos parques temáticos da Disney e a curiosidade jornalística desenvolvida em quase 20 anos de TV foram decisivos para trazer o melhor entretenimento, o maior número de atrações e as histórias de cada uma delas, fazendo com que você não tenha em mãos apenas um guia, e sim um almanaque de Londres.

Procure pelos temas, se perca nas dicas e aproveite: como nenhuma outra cidade no mundo, Londres mistura tradição e modernidade de um jeito irresistível.

Descubra Londres a bordo do sistema de metrô mais antigo do mundo!

Um guia multicultural, cheio de referências musicais, cinematográficas e esportivas, tudo isso sem deixar escapar o turismo clássico dos museus, galerias e pontos turísticos mais famosos da cidade. Com ele você vai:

  • Ganhar tempo fique por dentro das atrações mais próximas de cada estação;
  • Economizar utilize o sistema de transporte público mais rápido e prático;
  • Descobrir atrações use e abuse das dicas sobre feiras de ruas, passeios musicais e esportivos, além dos pontos mais tradicionais.

É um livro para consulta: você pode montar o seu roteiro, desde o circuito de galerias e espaços clássicos, passando pelos programas com a criançada até os incríveis cinemas de rua; descubra os musicais mais celebrados do West End, prove um fish & chips naquele restaurante descolado de Covent Garden e, para terminar a noite, se jogue nas baladas do Soho.

Mergulhe nas 40 estações selecionadas e se apaixone por Londres de uma vez por todas.  Como dizia Samuel Johnson, poeta inglês do século XVIII: when a man is tired of London, he is tired of life.

 

INTRINSECA

EE

Peter Brown sempre foi fascinado por robôs e pela natureza, e depois de anos imaginando, escrevendo e desenhando, ele deu vida a Roz, uma robô que, ao abrir os olhos pela primeira vez, se vê sozinha numa ilha.

Ela não tem a menor ideia de como foi parar ali, mas foi programada para sobreviver. Depois de suportar uma tempestade intensa e es­capar de ursos furiosos, ela se dá conta de que sua única esperança é se adaptar ao ambiente, e vai ter que aprender isso com os nada simpáticos animais que ha­bitam a ilha.

Tudo parece melhorar quando Roz consegue, aos poucos, se aproximar dos bichos e criar um laço inquebrável com um filhote de ganso abandonado. Mas sua natureza é diferente, e o misterioso passado da robô, que a levou àquele ambiente selvagem, está prestes a retornar para assombrá-la.

Robô selvagem é uma história co­movente e cheia de aventuras sobre o que acontece quando a natureza e a tecnolo­gia colidem inesperadamente, como os humanos afetam o mundo ao nosso redor e o que significa estar vivo.

PP (1)

Em muitos aspectos, Pio XI e o “Duce” não poderiam ter personalidades mais diferentes. No entanto, havia muito em comum. Não acreditavam na democracia e abominavam o comunismo. Eram propensos a ataques de cólera e protegiam com todas as forças as regalias dos cargos que ocupavam. Além disso, contaram um com o outro para consolidar seus poderes e alcançar objetivos políticos.

Desafiando a narrativa histórica convencional que retrata a Igreja Católica como forte opositora do regime fascista, David I. Kertzer mostra como o papa Pio XI foi crucial para que Mussolini instaurasse sua ditadura e se mantivesse no poder, estabelecendo uma aliança que garantiu à Igreja a restauração de posses e privilégios. Em uma rigorosa investigação, que envolveu o estudo de relatórios dos espiões de Mussolini na Santa Sé e se beneficiou sobretudo da abertura, em 2006, de arquivos secretos do Vaticano, Kertzer não só constata a nebulosa relação dos dois líderes, como também analisa a resistência encontrada pelo pontífice quando, já com a saúde debilitada e à beira da morte, passou a atacar Mussolini, suas leis antissemitas e a aproximação com Hitler. O medo dos prejuízos advindos do rompimento com o regime fascista mobilizou as mais expressivas autoridades do Vaticano, entre elas o futuro papa, Pio XII.

Vívido e dramático, O papa e Mussolini traz uma visão cruelmente verdadeira sobre um capítulo obscuro da história mundial, fartamente documentada, narrada com extrema perícia e reconhecida, em 2015, com o Prêmio Pulitzer de biografia

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário