Maratona: Rumo a ‘Vingadores: Guerra Infinita’ – Thor: O Mundo Sombrio

Ainda em 2013, temos a volta do Deus Nórdico mais querido dos cinemas. Thor: O Mundo Sombrio agora lida com problemas nos 9 reinos e tendo que combater antigos inimigos de AsgardMalekith e os Elfos Negros.

Mais um filme começa com uma história do passado. Dessa vez, na guerra de Asgard contra os Elfos EMOS Negros que queriam transformar o universo em pura escuridão usando o elemento superpoderoso, de destruição em massa conhecido como Éter. O Pai de Todos caolho, Odin da  uma surra nos Elfos e o Éter é escondido para que ninguém se apodere daquele temível poder.

No presente, Loki está preso pelas cagadas que fez em “Os Vingadores” e enquanto isso Thor e sua turminha andam pacificando dos Nove Reinos através da PORRADA.

Já em Midgard, a famosa Terra, Jane Foster continua estudando o cosmos e tentando encontrar Thor , numa dessas buscas acha um local onde as leis da física estão irregulares, e objetos são transportados para outros mundos através de portais invisíveis, por conta de um alinhamento do sistema solar que está para acontecer. Jane entra acidentalmente em um desses onde é sugada por um vórtice e entra em contato com o Éter que se funde ao seu corpo.

O impacto do Éter ser encontrado abala todos os reinos e assim os Elfos Negros acordam de sua hibernação. Thor sente que algo houve com Jane Foster e vai até Heimdall (o FUCKING guardião dos portões dourados de Asgard que tudo vê) perguntar o que aconteceu com Jane, mas o Guardião não consegue vê-la. O Deus do Trovão vai para Terra descobrir o que houve com a sua amada e a leva para Asgard.

Em seguida acontece uma invasão de Elfos Negros à cidade dourada em busca de Jane e do Éter. Durante a invasão temos muitas cenas de ação maneira, inclusive uma bem foda protagonizada por Heimdall, que pula e derruba uma nave dos inimigos apenas com os punhos e adagas.

Durante a invasão, Frigga, mãe de Thor e Loki morre tentando defender Jane e os Elfos fogem. Uma cena muito bonita acontece no funeral da esposa de Odin, que vira uma constelação snif snif após ser cremada.

O sangue sobe a cabeça de Thor e ele resolve fazer algo, ao contrario de Odin que sempre quer manter a paz e não entrar em conflitos. Para realizar sua vingança e retirar o Éter de Jane, Thor não vê opções além de se aliar a Loki. Os três juntos com a ajuda dos guerreiros amigos de Thor, vão atrás do Rei dos Elfos Negros Malekith, em busca de Vingança. Numa brincadeira de ilusões e atuações típicas do Deus da Trapaça, os três  tentam enganar os Elfos. Infelizmente a brincadeira não dá tão certo, Loki “morre”, Malekith toma conta do Éter no meio dessa treta e os dois pombinhos tem que fugir.

Apos absorver todo o poder do Éter, o Rei dos Elfos da inicio ao seu plano. A nave mãe dos Elfos chega na terra pronta para convergir os nove mundos em nada. Uma batalha épica e confusa através dos reinos e portais começa.

E mais uma vez, não é o herói que salva o dia. Thor impede que tudo seja destruído, mas é a Jane que usa um equipamento para transportar Malekith e sua nava para um mundo sombrio, onde o vilão morre.

 

Após a batalha, Thor volta a Asgard para pedir para seu pai se não pode ficar na Terra por um tempo e para a surpresa do Deus do Trovão, Odin concede a permissão. Ao virar as costas é revelada a verdadeira identidade de quem está no trono da cidade dourada: Loki. Seria o começo do Ragnarok? Aposto que sim.

Thor: O Mundo Sombrio é apenas um filme de passagem para os outros filmes da Marvel. Nele é apresentada mais uma das Joias do Infinito e o futuro do universo dos Deuses Nórdicos do estúdio. Um filme bacana mas sem muitas supresas.

Na cena pós-créditos, temos Sif e Volstagg entregando o Éter ao Colecionador, já que manter duas Joias do Infinito no mesmo lugar, seria loucura.

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário