Opinando: Vikings (3ª Temporada – Parte 1)

Vikings está na metade da terceira temporada e já estão programando as gravações da quarta, ou seja, a série vai de vento em poupa. E apesar de eu estar gostando da temporada atual, me surgiu a dúvida do quão longe a série conseguirá ir. Isso porque a pegada da série, pelo menos por enquanto, está bem diferente das outras temporadas. Isso pra mim é um ponto positivíssimo, mas talvez não seja para todos.

Em primeiro lugar, muito misticismo foi introduzido dessa vez como sonhos compartilhados e a possível personificação de um Deus em Kattegat, em contra partida a maneira sutil como isso era tratado nas demais temporadas. Para mim, essa foi uma mudança inesperada, mas que gerou cenas espetaculares como a chegada do andarilho e a morte uma/um personagem. Aliás, que cena linda. Infelizmente, a mudança não parece ter agradado todo mundo e deixado muitos confusos.

Já do outro lado do continente tivemos Vikings e Cristãos trabalhando lado a lado em troca de terra, que foi o artifício da série para termos cenas de guerra nessa primeira metade. E foi aqui que faltou algo que eu gostava muito na série, o choque de culturas e religiões. Onde antes tínhamos questionamentos sobre a semelhança entre deuses e crenças, agora temos uma vikings e ingleses aprendendo o idioma um do outro com cinco minutos de episódio e tomando vinho juntos.

Felizmente o final do quinto episódio me fez ter esperança de que o choque de culturas voltará, ou que na verdade só estava escondido esse tempo todo. Sem contar que agora nossos bravos Vikings irão para França pilhar, que é outro elemento que estava sentido falta. Por isso mesmo esperemos antes de julgar, a temporada passada parecia uma bagunça generalizada e a season finale chegou para alinhar tudo que parecia errado e deixar meu queixo caído.

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário