Opinando: Doctor Who (S08E04 – Listen)

Se não conseguiram se aprofundar no desenvolvimento do roteiro em Robot of Sherwood, esse episódio veio para pagar todos os pecados com direito a óstia e água benta! Se ainda estavam procurando algum lugar pra colocar defeito, não vão achar! Se ainda não gostavam do Capaldi, vão mudar de opinião, certeza! Esse episódio foi o melhor da temporada e acho muito difícil algum outro superar esse aqui. Bem, comecemos.

Capaldão começa esse episódio extremamente concentrado, filosofando sobre as sobras de baixo da nossa cama. Estamos realmente sozinhos? Então por que falamos alto toda vez que estamos sozinhos? Ah, é, não estamos sozinhos, nem por um instante.

Obcecado com sua nova descoberta, o Doutor resolve descobrir o que ou quem são as sombras no canto do nosso olho, o bicho debaixo da nossa cama, aquilo que sempre nos persegue.

A relação entre Doutor e Clara se apresenta de forma incrível nesse episódio e dessa vez, definitivamente, Danny Pink entra na parada, e de uma forma muito melhor do que eu poderia imaginar. É como se a sua linhagem familiar estivesse ligada à Clara de uma forma genial.

Alguma coisa acontece e o Capaldi finalmente volta a ser sério nesse episódio, o que achei sensacional. Já disse e volto a repetir, um Doutor sério é exatamente o que precisamos agora. Ele não é mais o seu amigo, ele é um alien. Ou, como diz a Clara, só um hobby.

E é por ser um hobby, que o Doctor passa muito tempo sozinho, e por passar muito tempo sozinho que começa a pensar sobre o medo do escuro, aquele medo que todas as pessoas tem. Como ele mesmo disse, o Doutor nunca viajou sozinho, e isso é novo para ele.

E que final épico foi aquele? Voltamos às origens dos medos mais profundos do Doutor e descobrimos que na verdade, é ele que tem medo do escuro, desde sua infância. E como sempre, a Clara está lá para ajudar. Eu adoro a Clara e creio que ela seja uma personagem extremamente importante para o universo de Doctor Who.

Bom, vou ficando por aqui. Até a próxima!

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário