Opinando: TURN (1ª Temporada)

TURN é uma série da AMC que conta a história do fazendeiro Nova Iorquino, Abraham Woodhull, que se une a um grupo de amigos de infância para formar o The Culper Ring, o primeiro grupo de espiões norte americanos e responsáveis por virar o jogo na luta pela independência americana. A série portanto recria dramaticamente fatos reais da história americana de 1777 até, provavelmente, 1783. E este é seu ponto positivo e negativo ao mesmo tempo.

Eu gostei muito de TURN, mas por tratar quase que exclusivamente da história americana, a série não tem potencial para se disseminar por qualquer local que não seja os EUA.  Digo isso, pois se você não é estadunidense ou amante de história dificilmente já ouviu falar da emboscada em Connecticut ou a Batalha de Seutaket, dois pontos altos da série que nitidamente significam muito mais para pessoas imersas naquela cultura do que para nós. Assim como toda a ansiosidade para ver determinada retratação histórica que se perde.

Nessa brincadeira, a série parte do pressuposto que seu telespectador tem um mínimo conhecimento da Guerra Revolucionária Americana, o que faz todo sentido visto seu público alvo. Só que, mais uma vez, isto também é um defeito, pois deixa alguns acontecimentos relativamente confusos. Nada que impeça a apreciação da obra, mas o suficiente pra pensar às vezes “será que perdi algo?”. Ainda assim, TURN é uma série empolgante que cativa, com bons personagens, ótimas atuações, um figurino convincente e muita classe.

Além do fator histórico, há obviamente também o fator humano, do contrário seria um documentário. São clichês em sua maioria, como o “amor impossível”, mas clichês bem usados que fazem bem e funcionam. O destaque aqui fica para o amadurecimento dos personagens, especialmente da esposa de Abraham e a história de ódio entre o protagonista e o Tenente John Simcoe. Tenente este que é o “Joffrey” da série. Tão bem interpretado que o ódio pelo personagem é automático.

Enfim, muita coisa acontece durante esta temporada e a Guerra Revolucionária mal começou a ser arranhada. Com sua segunda temporada já garantida, esta é provavelmente a única série estreante deste ano que me deixou ansioso para a próximo ano.  A minha dica para os que como eu não conhecem a história é: façam uma maratona. Evitem assistir os episódios pingados um por semana, assim a absorção e entendimento será muito mais fácil. Se bem que, eu que posso ser meio lerdo. :v

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário