Opinando: Um Drink no Inferno (1×08 – La Conquista)

La Conquista é um episódio tão B e tão ruim que a melhor coisa em todos os seus 45 minutos são as chances de contemplar a Eiza González.

Os flashbacks deste episódio foram além do comum, mostrando 500 anos no passado quando Santánico Pandemonium e Carlos se transformaram nos seres que são hoje. Santánico era tida como representante divina pelos Maiais, mas se recusava a ter inocentes sacrificados em seu nome. A moça decidiu fugir e foi amaldiçoada com uma vontade compulsiva de sangue. É quando Carlos surge, se apaixona, a liberta e se transforma em sua fonte de alimento. A história não é de todo ruim, mas tudo que rolou para “ativar” estes flashbacks foi inacreditável.

Primeiro Santánico contou sua história para convencer Richie a ser seu novo parceiro. Ela passa o episódio inteiro usando todos os argumentos possíveis para fazê-lo aceitar ser mordido, pois só assim a transformação funcionará, e no fim do episódio Santánico cansa de esperar e simplesmente morde Richie. Santa inconsistência.

Depois, Carlos conta sua história para o González no meio de uma luta para “provar que não é mau”. E o Patrulheiro que já havia enfiado uma estaca e duas facas no vampiro, parou para escutar com uma espada em mãos tocando a garganta de Carlos.  Que ceninha mal feita e mal atuada. Aliás, só o Jesse Garcia para fazer eu torcer mais para um vilão babaca do que para o “mocinho”.

Em outras partes do templo, Seth, Sex Machine, Kate e Jacob assumem que a melhor saída seja pular de cabeça num moedor de humanos gigante que parece tão real quanto cenário do Chapolin. Depois disso, eles se encontram com um novo personagem que está vivendo no almoxarifado do templo e possui uma rodinha ao estilo “Jogo da Vida” para decidir o destino de quem conseguiu chegar até lá. O cara é o maior revoltado, e mal interpretado, mas o discurso “tocante” de Kate faz ele mudar de ideia e se sacrificar pelo grupo de estranhos num embate contra vampiros. Ai ai.

Nesse queijo suíço todo, ao menos temos Eiza González e Scott Fuller virando vampiro. Dois pontos bacaninhas, mas que nem de longe compensam a bomba sem limites que foi este episódio e suas atuações.

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário