Opinando: Game of Thrones (4×04 – Oathkeeper)

Com já um mês, Oathkeeper, o quarto episódio da quarta temporada veio para dar uma guinada na história, revelar segredos e fazer os leitores dos livros se perguntarem o que diabos está acontecendo.

Começando por Essos, Verme Cinzento está aprendendo o Idioma Comum com Missandei. Não me lembro do Imaculado ser tão “humanizado” nos livros, mas mais uma vez, este é outro ponto certeiro da série. Logo depois, a Danny do nosso coração dá armas para os escravos lutarem pela própria liberdade e ainda crucifixa geral em justiça aos jovens mortos pela estrada até Meereen. Fez “pouco”, mas fez bonito.

Em Porto Real, Jaime vira o foco do episódio. Ele visita Tyrion e deixa bem claro que os dois nunca se odiaram, muito pelo contrário. Além disso ele prova mais uma vez que não é o mala que tentaram nos fazer crer no começo do seriado, dando sua espada de Obsidiana para Brienne e mandando-a na missão de salvar Sansa, totalmente contra a vontade de sua irmã. E Maragery Tyrell aproveita as dicas de sua avó e deixa o Rei pirralho pilhado com um beijinho na testa. Mas com a Natalie Dormer, até eu ia ficar catatônico.

Não muito longe dali, Petyr revela bem antes do esperado “todo” o seu plano. Ele matou Joffrey com a ajuda da Rainha dos Espinhos e pretende se casar com Lady Lysa Arryn e se tornar o senhor do Ninho da Águia. No livro antes de ir para o Ninho, Petyr passa em sua casa n’Os Dedos e pinta o cabelo da Sansa e faz todos crerem que ela é sua bastarda chamada Alayne Stone.  Começa aqui as dúvidas mortais dos leitores.

Agora na Muralha e ao seu norte é onde o bicho pega e os produtores aparentemente decidiram que os livros que se danem. A começar pelos ex-Patrulheiros da Muralha amotinados na Fortaleza de Craster que estão vivendo na fartura e luxúria com as filhas do falecido Craster. Além de serem personagens bem fraquinhos do estilo “sou gratuitamente mau e lide com isso”, coisa que não é do feitio da série, tudo que girou em torno deles é novidade para os leitores do livro.

Os amotinados estão com Fantasma, capturaram Bran, o personagem Mãos Frias nem sequer foi mencionado, Sam falou ao Jon sobre seu irmão e Jon decidiu voltar para Norte. Tudo isso é história original da série e eu adorei. Deu uma boa direção para a trama e finalmente fez os fãs dos livros ficarem tão confusos e apreensivos quantos os somente telespectadores.

Agora de longe, a maior loucura foi a última cena com o Caminhante Branco. Outra vez, uma exclusividade da série e que aprofundou a mitologia da franquia. Fica muito bem explícito aqui que os Caminhantes Brancos são uma raça sapiente e não só um bando de mortos vivos sem causa procurando por comida. Um raça provavelmente tão antiga quanto Westeros. Seriam eles diretamente relacionados aos Primeiros Homens?

Como estamos falando de Game of Thrones, qualquer conclusão provavelmente estará errada, mas ao meu ver a série já está caminhando ao poucos para tomar um rumo diferente dos livros. Só há mais dois livros prontos e mais cedo ou mais tarde a HBO ficaria sem material para se basear, portanto o melhor talvez seja criar a própria base desde já.

Agradecimentos ao Marcelo Gabriel Brito pela mega ajuda com o texto.

 

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário