Opinando: Um Drink no Inferno (Episódio 1×02)

Com o segundo episódio de Um Drink no Inferno já podemos assumir que a narrativa da série será dividida entre acontecimentos presentes e flashbacks. Este recurso está sendo utilizado para explicar elementos e tramas já introduzidos previamente, além do desenvolvimento de personagens. O que poderia ser um grande tiro no pé funciona magistralmente e dá um bom ritmo ao episódio.

O mistério de Richie Gecko e suas loucas visões foi mais aprofundado e descobrimos que ele realmente não é apenas louco, está sendo controlado. Desenhando até símbolos com sangue de cachorro morto (sabe-se lá com que finalidade), porém sem ter qualquer ciência ou lembrança de suas ações. Visto assim, sua loucura é mais do que justificável.

A religiosa família Fuller do filme também dá as caras neste episódio. Composta por Jacob Fuller, um ex-padre que se recusa a compartilhar detalhes da morte de sua esposa (prevejo vampiros envolvidos), Kate, uma adolescente revoltada  (com razão) e Scott, um adolescente bem genérico, a família está “fugindo” para o México por razões ainda desconhecidas por nós. A construção da família  é bacana, a atuação de Robert Patrick  é tão boa quanto o esperado, mas Madison Davenport entra para a lista dos atores fraquíssimos da série.

Além disso também somos apresentados oficialmente ao primeiro vampiro do seriado e assim aprendemos um poucos sobre a mitologia da série. Os vampiros aqui são fracos ao Sol, nada de brilho, como deve ser feito. E possuem a habilidade de se transfigurar naqueles que mordem.

Quanto a história, durante os flashbacks descobrimos como foi o assalto ao banco que levou a fuga dos irmãos, enquanto no presente não há grandes avanços. Felizmente, apesar da atuação mequetrefe de Zane Holtz, a química entre os irmãos é espetacular e muito bem apresentada durante o roubo.

Ainda não foi o suficiente para vestir a camisa da série, mas o segundo episódio foi muito superior ao primeiro. Só basta as atuações melhorarem e a história do presente guinar.

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário